Em meio a calendário caótico, apenas São Paulo se salva entre os paulistas

[ad_1]

A pandemia da Covid-19 esvaziou arquibancadas e provocou um verdadeiro caos no calendário do futebol brasileiro. O torcedor chega a ficar confuso com tantos jogos de sua equipe em poucos dias. Quem mais sofre, claro, são os atletas e comissão técnica, que, sem tempo para treinar nem descansar, têm de lidar com a pressão por resultados. No futebol paulista, apenas um clube vem conseguindo passar com certa tranquilidade pelo furacão: o São Paulo, do técnico argentino Hernán Crespo. Já os rivais Palmeiras, Corinthians e Santos vêm fraquejando no Campeonato Paulista, Sul-Americana e Libertadores, respectivamente.

Nesta quinta-feira, o São Paulo chegou a sua oitava vitória consecutiva na temporada ao bater o Rentistas, do Uruguai, por 2 a 0, no Morumbi, pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores. O time lidera o grupo E, com dois triunfos em duas partidas. No Paulistão, o São Paulo também é o time de melhor campanha, 25 pontos, com apenas uma derrota em dez jogos. O técnico Crespo, que chegou ao time em fevereiro, se disse feliz com o momento, mas pede cautela.

Clique aqui e assine PLACAR com preço especial, a partir de 8,90 reais por mês!

“Estamos muito felizes por isso, mas continuamos com os pés no chão, com muita tranquilidade. Sabemos que chegarão momentos mais duros, mas estamos preparados para isso”, disse o experiente ex-atacante com passagens por grandes clubes europeus e seleção argentina. Sob seu comando, o São Paulo vem jogando de forma bastante ofensiva: marcou 30 gols em 12 jogos, com destaque especial para a recuperação do atacante Pablo, autor de quatro gols e duas assistências em nove jogos. “Estou muito feliz pelo momento. Desde o primeiro dia, Crespo me deu confiança e coragem”, afirmou Pablo após a partida.

Palmeiras quase eliminado do Paulistão

Apesar da boa fase de Raphael Veiga, Palmeiras vem oscilandoUeslei Marcelino/Getty Images

O ambiente mudou rápido no Palestra Itália. Campeão da Libertadores e da Copa do Brasil de 2020, o Palmeiras amargou duas derrotas seguidas em finais, nos pênaltis, para o Flamengo, na Supercopa do Brasil, e para o Defensa y Justicia, da Argentina, pela Recopa Sul-Americana, ambas em Brasília. Depois disso, com uma maratona quase desumana de jogos (sete em 13 dias, ou seja, dia sim e dia não), o time se complicou no Campeonato Paulista.

Nesta quinta, com derrota em casa por 1 a 0 para a Inter de Limeira, na qual o técnico Abel Ferreira mandou a campo uma time sem nenhum zagueiro de ofício, o Palmeiras permaneceu com 12 pontos, a seis do Novorizontino, segundo colocado, e a nove do líder Red Bull Bragantino. Como apenas as duas primeiras colocadas da chave avançam, e restando apenas três jogos, o atual campeão tem poucas chances de se classificar à segunda fase.

O técnico português admitiu que via o Estadual como uma forma de desenvolver seus atletas mais jovens. “Quando acabou a temporada, tivemos uma conversa muito séria sobre este campeonato. E só hoje vou admitir pela primeira vez que é uma competição única e exclusivamente para dar oportunidade aos mais novos. Mas estamos todos representando o Palmeiras. Newton e Papagaio vão ser cobrados como Rony e Luiz Adriano. Queríamos ganhar o jogo, não conseguimos. Estamos pagando uma fatura cara nesta competição pelo desgaste de energia de todos nós.” Ao menos na Libertadores, o que realmente importa para o clube, o Palmeiras vai bem: dois jogos em duas partidas.

Continua após a publicidade

Corinthians: novo tropeço na Sul-Americana deixa Mancini pressionado

No caso alvinegro, ocorre o contrário: vai bem no Paulista (com 21 pontos, nove a mais que o segundo colocado do Grupo A, a Inter de Limeira, já está garantido na segunda fase), mas está praticamente eliminado na Copa Sul-Americana, que, em tese, seria sua prioridade. Nesta quinta, mesmo jogando em Itaquera, o Corinthians foi derrotado por 2 a 0 pelo Peñarol, do Uruguai. Antes, já havia empatado com o River Plate do Paraguai, em Assunção.

Como apenas o primeiro colocado avança, e o time já está a cinco pontos do Peñarol, as chances de classificação são remotas. O técnico Vagner Mancini disse estar tranquilo, apesar das críticas de boa parte da torcida. No próximo domingo, o time faz clássico contra o São Paulo, pelo Paulistão.

“Sabemos o que vem acontecendo, ninguém está livre de pressão. A gente confia em um bom jogo domingo porque estamos vendo evolução. Hoje tivemos uma derrota muito em cima de dois erros, o Corinthians teve superioridade, mas não soube aproveitar”, afirmou Mancini. “Estou tranquilo, tenho o respaldo da diretoria, e isso é importante, gera confiança.”

Santos: mal em todas as competições, em busca de técnico

Dos quatro grandes do Estado, o Santos é quem tem a pior situação. Na última segunda-feira 26, o técnico argentino Ariel Holan surpreendeu ao pedir demissão após apenas dois meses (foram 12 jogos, com quatro vitórias, três empates e cinco derrotas, um aproveitamento de 41,6%). Ele vinha chateado não apenas com os resultados ruins, mas com a saída de jogadores importantes, como Yeferson Soteldo, e com a cobrança excessiva de parte da torcida, que chegou a lançar fogos de artifício em frente à sua casa.

Um dia depois, o time foi derrotado por 2 a 0 pelo Boca Juniors, em La Bombonera, e permaneceu sem pontos em duas rodadas da Libertadores. No Paulistão, o time da Vila Belmiro é o terceiro colocado do Grupo D, com nove pontos em nove jogos, atrás de Mirassol (17 pontos) e Guarani (11). Enquanto busca um novo técnico (Luiz Felipe Scolari, Renato Gaúcho, Guto Ferreira, Lisca, Dorival Júnior estão entre os cotados), o time seguirá sendo dirigido pelo auxiliar Marcelo Fernandes.

Ariel Holan deixou o Santos em apenas 63 diasMarcelo Endelli/Getty Images

 

Continua após a publicidade

[ad_2]

Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *