Brasil sobe no quadro de medalhas e fica a três pódios de recorde



O Brasil teve uma terça-feira, 3, bastante proveitosa nos Jogos de Tóquio e crucial em seu objetivo de bater o recorde histórico de medalhas do país (19 no total, batido na Rio-2016). O bicampeonato conquistado por Martine Grael e Kahena Kunze na vela, somada a outras medalhas no boxe e no atletismo, fizeram a delegação brasileira fechar o dia na 18ª colocação do quadro geral, com três ouros, três pratas e oito bronzes, 14 no total.

Já há, no entanto, garantia de melhoria. Beatriz Ferreira e Hebert Conceição estão na semifinal do boxe e como não há disputa de terceiro lugar na modalidade, ao menos um bronze está garantido. O mesmo vale para a seleção masculina de futebol, que bateu o México na semifinal, e terá ao menos uma prata na decisão diante da Espanha, no próximo sábado 7.

Restam, portanto, três medalhas para alcançar 20 e superar a marca de cinco anos atrás. Já a meta de ouros será mais complicada: em 2016, foram sete, quatro a mais que a marca atual. Na ocasião, o Brasil terminou em 13º no quadro de medalhas, que prioriza o número de ouros ao valor total – caso haja igualdade de títulos, o número de pratas passa a ser o critério de desempate.

Nesta terça, além do ouro na vela, o Brasil conquistou dois bronzes, com Thiago Braz, no salto com vara, resultado relativamente surpreendente, e com Alison dos Santos, o Piu, nos 400 metros com barreiras. A frustração ficou por conta da canoagem: Isaquias Queiroz e Jacky Godmann terminaram em quarto na canoagem C2 1000m. Isaquias, porém, é esperança de medalha na categoria individual.

As brasileiras Luisa Stefani e Laura Pigossi foram a grande surpresa da listaVincenzo Pinto/AFP

Além dele, o país mantém chances reais com as seleções de vôlei – nesta terça, a masculina bateu o Japão por 3 sets a 0 e se garantiu na semifinal diante da Rússia –, com Alison e Álvaro no vôlei de praia, com Ana Marcela Cunha na maratona aquática, e com Pedro Barros e Luiz Francisco no skate park. Darlan Romani no arremesso de peso, Erica Sena na marcha atlética e a equipe de hipismo correm por fora.

Nesta edição, o Brasil viu alguns favoritos fora do pódio, como o surfista Gabriel Medina, a skatista Pamela Rosa e a dupla de vôlei de praia Ágatha e Duda, mas obteve medalhas surpreendentes, como a de bronze da dupla de tênis feminino Luisa Stefani e Laura Pigossi.

Confira, abaixo, o atual quadro de medalhas, que tem a China disparada no topo.

!function(){“use strict”;window.addEventListener(“message”,(function(e){if(void 0!==e.data[“datawrapper-height”]){var t=document.querySelectorAll(“iframe”);for(var a in e.data[“datawrapper-height”])for(var r=0;r<t.length;r++){if(t[r].contentWindow===e.source)t[r].style.height=e.data["datawrapper-height"][a]+"px"}}}))}();



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.