Djokovic vence Wimbledon e fica a um passo de dois recordes históricos

Djokovic vence Wimbledon e fica a um passo de dois recordes históricos

Novak Djokovic derrotou o italiano Matteo Berrettini no torneio masculino de simples de Wimbledon neste domingo e se igualou ao suíço Roger Federer e ao espanhol Rafael Nadal em número de conquistas de grand slams. Todos os três detêm agora o impressionante recorde de 20 grandes torneios mundiais. Se o tenista sérvio vencer o US Open, poderá se isolar não só como o maior campeão de todos os tempos, mas também como um dos poucos a ter vencido os quatro principais campeonatos em uma mesma temporada, feito realizado pela última vez em 1969 pelo australiano Rod Laver.

Neste ano, Djokovic (uma máquina que tem demolido os adversários que se arriscam a desafiá-lo) venceu o Aberto da Austrália, o Aberto da França e agora, pela sexta vez, a mais renomada de todas as competições: Wimbledon, na Inglaterra. Ele pode ainda alcançar uma terceira marca, que é conquistar o Golden Slam, ou seja, os quatro maiores torneios na mesma temporada e também a medalha de ouro nos Jogos Olímpicos. Todavia, até a última vez que foi perguntado a respeito de sua ida a Tóquio, o sérvio disse que ainda não sabia se iria participar.

O italiano Berrettini avançou em Wimbledon com excelentes vitórias, mas, para azar dele, se deparou com Djokovic, que, para a surpresa de todos os analistas, tem jogado, aos 34 anos de idade, com a performance de um tenista 10 anos mais jovem.

O US Open será disputado de 30 de agosto a 12 de setembro. Já as Olimpíadas de Tóquio começam dia 23 de julho e se estendem até 8 de agosto. As autoridades japonesas comunicaram, semana passada, que não haverá público em nenhuma das modalidades olímpicas, o que seria o motivo da desistência de Djokovic em participar. Ao que tudo indica, o veterano tenista campeão é movido pelos aplausos e, eventualmente, pelos apupos da torcida.


Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

code