Como Saldanha, Diniz deveria ser mais reconhecido pelos seus feitos

Como Saldanha, Diniz deveria ser mais reconhecido pelos seus feitos

Não é segredo para ninguém que tenho minhas convicções e por isso fiquei muito feliz quando vi o lateral Daniel Alves, durante uma transmissão ao vivo, dedicar o título paulista a Fernando Diniz. A verdade é que a escolha do técnico argentino Hernán Crespo foi acertadíssima porque ele é adepto da escola de Marcelo Gallardo, que, assim como Diniz, investe em times vistosos, ousados e com bom toque de bola. Ou seja, Crespo pegou um grupo pronto, disposto a vencer e teve o trabalho facilitado. Torço muito por ele, assim como continuo torcendo para que Diniz siga montando times agradáveis de se ver. Os títulos serão consequência.

Assine a revista digital no app por apenas R$ 8,90/mês

Quando critiquei as atuações do Palmeiras mesmo após a conquista da Libertadores é porque vencer sem convencer não me agrada. Ou será que os vascaínos comemoraram a vitória sobre o Botafogo? Nem Rogério Ceni está em condições de comemorar porque o Rubro-Negro não tem sido convincente como na época de Jorge Jesus. Totalmente o oposto de Guardiola que vem mantendo uma maravilhosa performance há anos, sempre apostando na filosofia de jogo, que também é a minha, a de que é possível conciliar força física, alta produtividade com arte e suingue. Futebol é um espetáculo, como uma orquestra, um balé, um desfile carnavalesco.

Mas outro dia vi um tetracampeão do mundo, que hoje é comentarista, afirmar que o importante é vencer mesmo jogando feio. Discordo com todas as minhas forças e justamente por conta desse pensamento pequeno é que nosso futebol perdeu a essência, sua forma de jogar, e está entupido de retranqueiros. Daniel Alves, ao vivo, disse que Fernando Diniz “é foda”. E é mesmo! É um incompreendido, mas deixa sua marca por onde passa. Por isso, o torcedor deve reconhecer isso.

Na Copa de 70, João Saldanha deveria ter sido reconhecido com mais veemência por sua participação naquele título. Reconhecer é um ato de nobreza. Daniel Alves atuou por vários anos na Europa, ganhou uma série de títulos e sua opinião tem peso. Mas assim como o tetra-comentarista, que diz que para vencer vale praticar um futebol covarde, muitos não reconhecem o valor da seleção de ouro, de 82, desdenham de quem nunca venceu uma Copa do Mundo e vão espinafrar Guardiola caso não vença a Liga.

Listo uma serie de pernas de pau que não mereciam ter uma Copa e dou mil vivas a Zico e os comandados de Telê Santana! Salve, Falcão! Salve, Leandro! Salve, Oscar! Salve, Sócrates! Salve, Júnior! Salve, Éder! Salve, Cerezo! Salve, Luizinho! Salve, Paulo Isidoro! Salvem o nosso verdadeiro futebol!

Para contrariar os comentaristas atuais, trago uma tradução simples dos termos utilizados: primeira linha é, na verdade, a defesa, composta pelos laterais, beque central e quarto zagueiro; a segunda linha é o famoso meio-campo, formado pelo centro-média, meia-direita e meia-esquerda; por fim, o ataque virou a terceira linha, que reúne os pontas e o centroavante! Precisa complicar tanto?

Continua após a publicidade


Source link

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*

code